ALUNA A

Andressa Casal

Aluna A é um novo projeto muito especial para apresentar a força das mulheres maravilhosas que fazem a diferença em nossa escola. Para inaugurar a sessão, levamos nossa aluna Andressa, que está desde o início do Studio com a gente, para um ensaio fotográfico na Découvert Art, pelas lentes do parceiro Paulo Valle. Ela conversou conosco sobre sua relação com o pole, autoestima, feminismo e muito mais, num bate-papo delícia.

De onde você é? Como é a sua família?
Eu sou de BH mas minha família mora em Ouro Branco a mais de vinte anos. Tenho duas irmãs, sou a do meio e tenho dois sobrinhos da minha irmã mais velha.

E você? Quer ter filhos?
Já passei pela fase que queria muito ter, depois desisti e já fiquei na fase da dúvida sem saber se queria ou não. No momento eu quero, daqui uns dois anos mais ou menos.

Me fala um pouco sobre o seu trabalho.
Eu fiz direito, mas nunca gostei de advogar. Fiz um concurso, assim que me formei na faculdade pra Oficial do Ministério Público. Já passei pela promotoria criminal mas saturei porque lá era muito agitado e eu sou mais calma. Agora eu trabalho na parte de planejamento estratégico do MP.

Você gosta?
Tem dia que eu gosto, tem dia que eu não gosto.
Eu decidi que não quero mais fazer concurso público. Não desgosto do meu trabalho, ele não me deixa chateada nem nada, mas ele é para eu conseguir viver fora dele.
Eu o vejo como uma ponte para fazer o eu quero da minha vida e no futuro pretendo fazer outras coisas.


O que você realmente gosta?
Eu gosto de viajar, de estar com as pessoas que eu gosto.
Estou tendo que viajar mais, porque eu to namorando fora de BH e a gente divide o gosto por viagens. Tiro duas férias por ano e gosto de viajar todas as vezes que eu tiro ferias, nem que seja perto. Num futuro eu quero morar num lugar mais calmo, perto da natureza. Que dê para fazer trilha. Eu adoro fazer trilhas.


Eu lembro que a gente conversou um tempo atrás e você estava indo pro Uruguai sozinha. Me fala sobre isso.
Alguns anos eu me enfezei porque ninguém tirava férias comigo, eu folgo em baixa temporada, e ninguém está disponível para viajar comigo.
Lembro que era um carnaval e estava em casa pois não quis ir pra ouro preto (onde eu formei) , fiquei em casa matutando e decidi viajar sozinha pra Bahia, comprei passagem pra Itacaré.
Fiquei num hostel e percebi que você sempre pode encontrar companhia.
Quando você está sozinho fica mais aberto pra conhecer novas pessoas, muito mais do que quando viaja com companhia. Ai eu peguei gosto em viajar sozinha.
Na segunda vez eu fui pra fora do Brasil, Buenos Aires e fiquei dias lá. E percebi as mesmas coisas, que se a gente quiser sempre vai ter companhia.
Eu sou mais fechada no meu dia a dia do que quando estou viajando. Quando tem uma amiga que quer viajar comigo, agora eu sempre penso duas vezes antes de decidir.
Porque é uma viagem diferente. Eu gosto de viajar sozinha e ficar sozinha. Gosto de andar sem rumo pela cidade, gosto de andar e não gosto de ninguém enchendo o saco de estar andando muito. risos.


Qual o seu destino favorito?
Cartagena na Colômbia e adoro as Serras de Minas. Serra do Cipó e Ibitipoca tem um lugar especial no meu coração.

E um destino que você ainda gostaria de ir?
São dois mais próximos, Capitólio e Peru.

Mudando de assunto, voltando pra BH vamos falar sobre Pole. Qual foi essa ideia de começar a fazer pole?
Eu já tinha visto algumas vezes e achava muito legal, mas achava que eu não ia ter força e que eu nunca ia fazer bonito, então nunca tinha pensado em fazer. Uma amiga disse que tinha feito
uma aula experimental com a mãe dela em uma escola perto de onde a gente trabalhava, ai eu decidi experimentar, já que ela era toda "menininha". E que a mãe dela também tinha gostado.
Eu fiz a aula e não sei explicar porque gostei tanto. Eu entrei na aula meio estressada depois do trabalho e sai super feliz, rindo e muito mais leve.
E quando você começa a fazer os movimentos que acha que nunca vai conseguir se torna muito satisfatório. Os movimentos te deixam graciosa mesmo quando você não é assim no seu dia a dia.
Eu normalmente faço aula depois do trabalho, e consigo ser mais solta já que sou muito rígida normalmente, e isso é ótimo.

Qual a maior dificuldade?
Graciosidade e flexibilidade.

Pensando em dificuldade como uma forma mais ampla. Como você lida com não conseguir fazer um movimento?
Isso trabalha com a persistência. Às vezes eu não consigo realizar um movimento e vou pra casa pensando em formas de fazer. Até sonho com isso. Não lido bem com a frustração, mas o Pole Dance
me ajuda muito com isso. É quase um tapa na cara, que te mostra que a gente não tem controle de tudo. Mas também mostra que se a gente persistir acaba saindo.

Você já tinha feito outras atividades físicas? Ou foi no pole que você se encontrou?
Quando eu era criança fiz ginástica olímpica na escola. Eu fazia brincando né, abertura, estrela .... Fiz um ano. Depois passei anos da minha
vida fazendo só educação física na escola e caminhada, que eu sempre gostei de fazer. Depois eu fui fazer musculação, mas já lá pros 24/25 anos, quando eu passei a poder pagar
minha academia. Mas eu não gosto e não sou muito regrada.

Você acha que como mulher o pole te empodera de alguma forma? Como é explicar pras pessoas sobre fazer pole?
No começo eu ficava sem jeito. Porque ainda rola muito olhar preconceituoso, principalmente de homens e gente mais velhas, que são as pessoas que eu trabalho perto.
Eu não escondia, mas também não contava. Se me perguntassem eu falava. Mas eu mudei a minha forma de pensar em relação ao que as pessoas pensam, o fato da gente ficar com receio de falar
também mostra uma forma da gente pensar. Se eu não falo quer dizer que eu tenho um pouco de vergonha. No começo por exemplo não tinha foto minha no pole, mas ai comecei a me ver mais feliz e aos poucos mais bonita, passei a perceber que eu era boa em algumas coisas e foi me dando uma segurança e uma forma de ver diferente. Hoje eu tenho orgulho de fazer pole.
Conto pras pessoas, chamo pra fazer aula. Antes eu só falava com algumas amigas, hoje em dia todo mundo que trabalha comigo sabe que eu faço pole. Já ate encontrei pessoas que trabalham comigo nas aulas de pole. O pole fez eu me ver de uma forma que eu não me via. Eu me vi mais feminina, com mais poder. Inclusive por achar que eu faço o que eu quero, o que eu gosto e acho bonito e o que eu sou boa. Por não ter vergonha de falar. Mudou até minha forma de ver meu próprio corpo. As vezes a gente não se acha bonita e nem vê nosso corpo como bonito, então começamos a conviver com todos os tipos de corpos e todo mundo se amando. É muito bonito isso. Você para de dar importância pros "defeitos".

 


JOGO RÁPIDO

Um medo:
Perder as pessoas que eu gosto

Um sonho:
Morar perto da natureza

Uma comida:
Arroz, feijão, carne com caldinho e angu

Um move de pole:
Iron x

Um filme:
Gosto de filmes antigos. Casablanca e Bonequinha de Luxo

Uma musica pro seu sonho:
Céu de Santo Amaro

Um estilo de música:

MPB

Unidade Savassi: Rua Tomé de Souza, 815
Unidade Funcionários: Rua Cláudio Manoel, 149

Belo Horizonte - MG

(31) 2535 2880 (atendimento das 14hs às 20hs)

(31) 98490 5804 (atendimento via whatsapp)

studioapoledance@gmail.com

  • Instagram studio a
  • Facebook studio a
  • youtube studio a
  • vimeo studio a